Trincas, Fissuras ou Rachaduras

Em um contexto profissional, muitas vezes acontece que clientes particulares ou corporativos solicitam que uma publicação seja feita e apresentada com o conteúdo real ainda não estando pronto. Pense em um blog de notícias cheio de conteúdo de hora em hora no dia em que vai ao ar. No entanto, os revisores tendem a se distrair com conteúdo compreensível, digamos, um jornal copiado de texto aleatório ou a Internet. O objetivo é focar no texto, desconsiderando o layout e seus elementos. Além disso, o texto aleatório pode ser involuntariamente engraçado ou ofensivo, um risco inaceitável em ambientes corporativos.

Como diferencia-las e qual melhor solução para esta patologia?

Uma das principais e mais comuns patologias encontradas em fachadas são estas aberturas que são classificadas de acordo sua espessura.
Apesar de possuir nomes diferentes, as trincas, fissuras e rachaduras, são patologias muito semelhantes e quando em contato com o meio externo, podem ocasionar infiltrações e prejuízos materiais a pintura interna, móveis, papeis de paredes entre outros.

De maneira resumida e para melhor entendimento:
As fissuras apresentam espessuras de até 0,5mm, são superficiais e não possuem sentido ou formato definido.
As trincas formam uma abertura em forma de linha que aparece na superfície de qualquer material sólido, dentro da classificação normativa, sua espessura varia entre 0,5mm até 1,0mm.
As rachaduras necessitam de uma atenção imediata. É preciso rapidamente identificar a causa do surgimento destas aberturas que entre, 1,0mm e 1,5mm causam uma acentuada ruptura de sua massa, o que ocasionam grandes focos de infiltração entre outros maiores prejuízos e riscos.

Manutenção predial.
Manutenção predial é um conjunto de atividades que tem como objetivo principal manter a vida útil de uma edificação além da valorização do local e funcionamento dos sistemas existentes.
Conforme a norma 5674:2012 fica estabelecido requisitos para a gestão do sistema de manutenção de edificações, de modo a evitar a queda de desempenho devido à depreciação de seus sistemas, equipamento e componentes.  Um dos procedimentos indicados é o planejamento anual das atividades de manutenção.
O desleixo em relação a essa questão pode comprometer o desempenho, a segurança e salubridade do edifício, além de prejudicar a qualidade de vida dos usuários. As edificações que se deterioram antes do tempo geram custos sociais, econômicos e ambientais elevados.
Separamos a manutenção em duas categorias, são elas as preventivas e as corretivas.

Manutenção predial preventiva.
Realizada periodicamente, de acordo com o tempo previsto no plano de manutenção predial é fundamental para preservar – e até prolongar – a vida útil da edificação. Ela antecipa-se ao surgimento de problemas e minimiza o impacto estrutural e financeiro de possíveis falhas que poderiam dar sinais somente quando o problema estivesse muito grande. Além disso, a prevenção contribui para a valorização do edifício e a diminuição de risco de acidentes, interrupção de serviços e atividades corretivas emergenciais.
Manutenção predial corretiva.
São ações emergenciais e fora do planejamento causadas por desgastes não identificados previamente ou falhas em equipamentos e estruturas. Esse tipo de manutenção é uma reação ao aparecimento a um problema como infiltrações, queda de revestimento externo, entre outros.

Deixe um comentário

Your email address will not be published.